Mas afinal, quais são as ameaças da internet e como proteger as crianças desses problemas? Leia mais sobre o assunto neste artigo.

Crianças na internet: entenda os riscos e veja como orientar

O que há alguns anos parecia impensável, agora é realidade: o mundo inteiro está constantemente conectado por meio de aparelhos eletrônicos — e até mesmo a presença de crianças na internet se tornou frequente.

Nos últimos anos, a tecnologia avançou de forma assombrosa e hoje podemos acessar informações rapidamente com apenas alguns cliques em uma tela.

Apesar de extremamente vantajosa, essa tecnologia também pode ser muito perigosa, especialmente quando falamos sobre jovens conectados na web. Com tantas informações de fácil acesso e a possibilidade de conversar com pessoas de todo o planeta, os pequenos podem ficar expostos a uma série de riscos.

Mas afinal, quais são essas ameaças e como proteger as crianças desses problemas? Pensando nessas dúvidas, preparamos este post com importantes informações sobre o assunto. Ficou interessado? Então, continue a leitura e confira!

A quais riscos as crianças estão expostas ao usar a internet?

São diversos os riscos aos quais as crianças estão expostas ao utilizar a rede mundial de computadores. A seguir, falaremos sobre os principais, explicando um pouco sobre cada um deles. Acompanhe!

Cyberbullying

Nos últimos anos, o bullying sofrido pelas crianças nas escolas se tornou uma importante pauta de discussão entre pais, educadores e até mesmo os governos de diversas nações. Essa prática é conhecida por causar danos à autoestima das vítimas, além de outros problemas sérios.

Embora o pátio do colégio seja o cenário mais comum para esse tipo de situação, isso não quer dizer que ela não possa ocorrer em outros ambientes. O espaço online, por exemplo, é um dos lugares onde o bullying é mais praticado.

Isso acontece principalmente por conta da possibilidade de anonimato e da falta de controle. Além disso, a impessoalidade da situação contribui para os efeitos negativos, já que o agressor não consegue observar as reações de suas vítimas e não tem a noção de como suas atitudes são devastadoras.

Predadores sexuais

A possibilidade de conexão e interação com pessoas diferentes é uma das principais vantagens da internet, que reduziu as distâncias geográficas e facilitou os relacionamentos da sociedade. No entanto, esse também é um problema bastante sério quando falamos sobre crianças e predadores sexuais.

Infelizmente, os casos de abuso sexual na internet não param de crescer. A utilização da rede abre portas para um mundo completamente novo, onde os jovens podem se comunicar com pessoas desconhecidas.

Além disso, os criminosos muitas vezes se escondem por trás de identidades falsas, os chamados fakes. Essa prática é utilizada por eles para fingir ter a mesma idade da vítima e atraí-la sem gerar suspeitas, criando primeiro laços de amizade e confiança.

Pornografia

A maioria dos pais ou responsáveis por crianças pequenas teme que algum tipo de pornografia surja acidentalmente na tela enquanto o pequeno utiliza o computador. Embora isso não seja tão incomum, é importante ter em mente que muitas vezes eles também saem em busca desse tipo de material.

Isso não quer dizer, é claro, que eles saibam exatamente o que estão procurando. No entanto, a curiosidade é uma característica inerente das crianças e do ser humano, o que pode levá-los a ter dúvidas sobre assuntos que entreouviram em algum lugar.

Além disso, as crianças podem ser expostas a material pornográfico ao conversarem com pessoas desconhecidas e mal-intencionadas, que compartilham esse tipo de conteúdo nas redes sociais.

Exposição prejudicial

Hoje em dia, o acesso a ferramentas que gravam vídeos e tiram fotos é muito abrangente. Afinal de contas, as câmeras estão por todos os lados, em celulares, computadores e tablets, fazendo com que qualquer criança possa registrar seu dia a dia com muita facilidade.

Além da facilidade de registro, devemos também citar a simplicidade com que o upload desse material é feito na internet. Um bom exemplo são os canais comandados por crianças no YouTube ou os diversos memes envolvendo menores de idade que circulam pela web.

Por isso, esse material pode ser utilizado para que pessoas pratiquem bullying contra essa criança, além de gerar constrangimentos futuros. É importante lembrar que uma vez que algo está online, raramente é retirado e, portanto, todo cuidado é pouco.

Divulgação de dados pessoais

Por fim, citaremos o perigo da divulgação de dados pessoais a estranhos. Esse é um dos principais riscos, já que as crianças — especialmente as muito pequenas — não têm noção de limites e não sabem que certas coisas não devem ser ditas aos estranhos.

Por isso, é muito comum vermos jovens postando relatos detalhados sobre seus dias e divulgando informações importantes, como o número de telefone pessoal ou até mesmo o endereço de suas residências.

Além disso, as imagens postadas podem ser muito reveladoras, contendo informações como a escola que as crianças frequentam (por conta dos uniformes) e outros dados que devem permanecer seguros.

Como proteger as crianças na internet?

Como podemos ver, a internet pode ser um ambiente perigoso para a criançada. Por isso, é essencial que os pais e responsáveis participem do processo de utilização dessa ferramenta, tornando-a o mais segura possível e fazendo com que eles usufruam de seus inúmeros benefícios sem maiores problemas.

Por isso, separamos algumas dicas para tornar o seu trabalho um pouco mais simples. Confira cada uma delas!

Monitore o uso de perto

O primeiro passo para manter a segurança de crianças na internet é monitorar o uso de perto. No entanto, é importante salientar que o monitoramento não é, de forma alguma, sinônimo de invasão de privacidade.

Por isso, fique sempre de olho no conteúdo que seu filho consome online, especialmente para as crianças muito pequenas. Deixe o computador em uma área movimentada, como a sala, e se mostre sempre presente.

Além disso, é válido deixar claro para a criança que você está por ali para tirar eventuais dúvidas. Esse tipo de atitude gera cumplicidade e mostra que ela pode contar com você caso veja algo estranho.

Instale filtros de segurança

Algumas extensões, softwares e aplicativos funcionam como uma peneira na internet, deixando passar apenas informações relevantes e retendo aquelas consideradas nocivas para as crianças.

Por isso, a instalação de filtros é recomendada para reduzir consideravelmente a quantidade de conteúdo prejudicial que seus filhos podem acessar na internet, já que eles bloqueiam certas palavras-chave ou sites.

No entanto, ainda assim, é importante ficar de olho. A razão para isso é que alguns sites conseguem burlar o filtro, evitando o bloqueio feito por esses programas.

Imponha limites no uso

A internet pode ser uma ferramenta interessantíssima. Com ela, conseguimos novas informações rapidamente e podemos adquirir conhecimento de forma muito mais simples. Por isso, ela é uma ótima coadjuvante nos estudos e no desenvolvimento das crianças.

Além disso, ela pode ser utilizada de forma recreativa, diminuindo o estresse e engajando a criança em atividades variadas. Com ela, os pequenos podem descobrir novas paixões e outras culturas, desenvolvendo capacidades, como o autoconhecimento e até mesmo a empatia.

No entanto, o seu uso desenfreado pode trazer o efeito contrário. Por isso, imponha limites e permita o seu uso preferencialmente em momentos nos quais você está por perto. Assim, fica muito mais fácil monitorar o que seu filho está consumindo por meio da web.

Oriente a criança

O diálogo é a melhor forma de prevenção para diversos problemas e riscos que crianças sofrem na internet. Por isso, é importante conversar abertamente e alertar sobre alguns dos principais riscos, sempre com linguagem adequada à sua faixa etária.

Fale sobre o perigo da exposição desnecessária, da revelação de dados pessoais e explique que, embora fazer novas amizades pela internet seja uma boa prática, é necessário ter cuidado com o conteúdo das conversas. Deixe bem claro que alguns assuntos não são adequados e que é importante que ela informe caso eles surjam.

Deixando tudo em pratos limpos, é muito mais fácil manter o diálogo sempre vivo e fazer com que a criança confidencie eventuais problemas a você.

Como podemos ver, a presença das crianças na internet pode representar um risco para esse grupo. No entanto, seu uso também pode ser muito benéfico e é necessário estimular o uso responsável dessa importante ferramenta para que as novas gerações acompanhem os avanços tecnológicos da maneira adequada.

Você conhece alguma dica bacana sobre a proteção de crianças na internet? Então, compartilhe suas experiências com a gente agora mesmo nos comentários! Será de grande ajuda para todos.

    Quer aprender a se comunicar melhor? Receba nossas dicas:

    Sem comentários

    Cancelar