Tag Archives: inteligencia emocional

Vamos ajudar você a entender que demostrar sentimentos não é tão ruim assim, e que desenvolver maturidade emocional pode trazer diversos benefícios.

Demonstrar sentimentos: uma fraqueza ou maturidade emocional?

Quantas vezes já ouvimos para não demonstrarmos os nossos sentimentos? Emoções como paixão, raiva ou esperança são forçadas a permanecerem reprimidas. Isso acontece desde a infância, na tentativa de engolir o choro e ignorar a frustração. Essa postura surge, principalmente, diante do medo da vulnerabilidade e de parecer “fraco”.

As consequências disso não são pessoas mais maduras e “fortes” para a vida, mas um número cada vez maior de indivíduos que não conseguem desenvolver inteligência emocional.  Reprimir o que sente pode provocar um descontrole dos próprios sentimentos, comportamentos erráticos e até problemas com a saúde mental e física.

Neste post, vamos ajudar você a entender que demostrar sentimentos não é tão ruim assim, e que desenvolver maturidade emocional pode trazer diversos benefícios à sua vida. Acompanhe o texto!

Como desenvolver a maturidade emocional?

Qual é a solução? Chorar em todas as frustrações no trabalho? Explodir sempre que estiver irritado? Não, essas não são reações de uma pessoa com maturidade emocional.

Essa habilidade diz respeito a saber analisar, aceitar e compreender os próprios sentimentos para poder gerenciá-los na medida certa. Isso significa expressar quando se sentir injustiçado, mas não partir para a agressão.

Mas fique calmo caso você se enquadre nesse perfil e você não saiba como controlar suas emoções da melhor maneira. A maturidade emocional não é uma habilidade que nasce com a pessoa, é possível desenvolvê-la ao longo da vida por meio de alguns hábitos.

A seguir, confira três dicas para começar a praticá-la.

1. Aprenda com os erros e saiba se perdoar

A questão não é viver sem responsabilidade pelos próprios atos. Magoou alguém no passado? Disse alguma coisa que não devia na reunião com o chefe?

Assuma para si (ou até para os outros, se tiver a oportunidade) que errou e faça um compromisso de não repetir aquele comportamento. A partir disso, tente perdoar a si mesmo e procure viver sem o sentimento de culpa. Pode ser difícil, mas é preciso que você não fique apegado à dor do passado. Só assim é possível seguir em frente.

2. Conscientize-se dos sentimentos e fale sobre eles

Na tentativa de ignorar o que sentimos (seja por negação, convenção social ou culpa), tentamos enterrá-los o mais fundo que podemos, mas eles sempre aparecerão de outra forma. Seja em um ataque de raiva em um momento inoportuno, seja em uma tristeza que parece não ter causa aparente.

Permita-se aceitar as próprias emoções e tentar entender o porquê desses sentimentos. Quando organizar os próprios sentimentos, poderá falar racionalmente sobre eles. Esperar que desapareçam não é maduro.

Sendo assim, desabafe sobre tudo aquilo que está segurando, seja por meio da escrita, de trabalhos manuais ou conversando mesmo com quem está envolvido no assunto. Lembrando que é sempre bom ir ao psicólogo para ajudar a entender os próprios pensamentos.

3. Pratique mais a empatia sem se deixar abalar

A empatia é uma habilidade preciosa. Saber se colocar no lugar de outra pessoa e tentar enxergar o mundo por meio da realidade dela é extremamente útil na hora de buscar o diálogo. Isso previne brigas desnecessárias e nos ajuda a alcançar a maturidade emocional.

No entanto, por você se colocar no lugar da pessoa, não quer dizer que precise começar a misturar os seus próprios sentimentos com os dela. Cuidado para não absorver mais tristeza do que o necessário para compreender ou mais raiva do que consegue conter. É ótimo sentir junto com as pessoas, mas lembre-se da sua saúde mental também, certo?

Quais os benefícios da maturidade emocional?

Para começar, uma vida com mais leveza. Sem se apegar aos rancores dos próprios atos ou do passado, o indivíduo consegue resolver os problemas do dia a dia com mais foco e planeja o futuro com mais energia.

O crescimento é uma consequência inevitável. Aprender a lidar com os desafios que a vida vai mostrar e evoluir mais como ser humano são habilidades valiosas. Com isso, a relação com o trabalho, âmbito pessoal e com o mundo em geral só tende a melhorar.

Além disso, até mesmo o seu sistema imunológico vai agradecer! Um artigo da UNESP mostrou que várias pesquisas da Universidade relacionaram as condições emocionais com o aparecimento de doenças que afetavam o organismo, como o câncer. O equilíbrio da saúde física depende, também, da expressão de sentimentos.

Como demonstrar sentimentos pode ser uma força?

Quem esconde as emoções, acredita estar no controle delas. Na verdade, é somente ao lidar com elas que se pode gerenciar o que se passa dentro de nós. Expressar o que sentimos é a verdadeira força. De tanto medo de parecer vulnerável, é exatamente isso que você se torna.

Ao desabafar, você ganha mais saúde, foco e disposição para evitar as situações em que não se sente confortável. Mas, e se nem sempre for possível falar como queremos? De que outra forma podemos exprimir o que sentimos?

A Arte é uma das melhores maneiras. Pode ser pintura, música, artes cênicas e muito mais. Por exemplo, o teatro propõe a improvisação e a criação de personagens.

O ato de criar incentiva a criatividade e a autoconfiança. Encenar é expressar. As práticas teatrais trabalham o corpo e a comunicação, uma peça fundamental para transmitir o que realmente se sente. Além disso, é possível analisar o comportamento humano e compreendê-lo um pouco mais.

Como expressar sentimentos ajuda nas relações?

Quando você está em constante desenvolvimento da sua maturidade emocional, fica mais fácil se relacionar com as pessoas. Ao aprender a gerenciar suas próprias emoções, será possível entender as motivações para determinados comportamentos em relação a um tipo de indivíduo.

Assim, você poderá construir relacionamentos com mais confiança e respeito. Sabendo lidar com os próprios sentimentos, abrindo-se quando necessário e respeitando as opiniões dos outros, você vai conseguir desenvolver relações interpessoais tanto na vida privada quanto no trabalho, o que reserva mudanças positivas para o futuro.

Já deu para perceber o quanto é importante investir no seu amadurecimento emocional, não é? As consequências para a vida são inestimáveis e existem muitas formas de aprender a lidar com os sentimentos. Que tal começar um curso de teatro? Você vai desenvolver a sua autoconfiança, desinibição e criatividade. Venha conversar conosco! 

Já ouviu falar do quociente emocional? É um fator determinante para o nosso sucesso profissional e a harmonia das nossas relações: a inteligência emocional.

Veja como a arte atua na inteligência emocional

Quando se trata de falar quem é inteligente, muita gente logo se lembra da sigla “Q.I”, o quociente de inteligência. Mas você já ouviu falar do “Q.E”, o quociente emocional? É um fator que pode ser determinante para o nosso sucesso profissional e a harmonia das nossas relações interpessoais: a inteligência emocional.

De acordo com o psicólogo e criador do conceito, Daniel Goleman, isso tem a ver com a capacidade de conhecer as próprias emoções e saber geri-las apropriadamente. Além disso, ter inteligência emocional diz respeito a saber se automotivar e ter empatia ao reconhecer as emoções dos outros.

A importância de se trabalhar as emoções

Desenvolver essa habilidade nem sempre foi uma preocupação do mercado de trabalho. Porém, essa percepção mudou. Administrar as próprias emoções é tão importante para conseguir bons resultados em uma empresa quanto ter conhecimento do assunto.

Além disso, ter empatia e saber avaliar as emoções das outras pessoas é fundamental para colocar qualquer projeto em prática. Isso vale tanto no emprego quanto nas relações amorosas, familiares ou com amigos.

O incentivo da arte no desenvolvimento da habilidade

Uma das melhores formas de estimular a inteligência emocional é a arte. Normalmente, é uma disciplina tida como pouco importante no currículo escolar. Quando a criança se torna adulta, ela, muitas vezes, acaba não vendo importância na arte e se distancia ainda mais dela.

Mas é justamente isso que nos ajuda a expressar a nossa própria individualidade. Por meio de produções artísticas, como o teatro, a pintura, a escultura, o desenho, as instalações e diversos outros, o lado emotivo é despertado.

O ato de criar é intimamente ligado a quem realmente somos, aos nossos sentimentos. Esse despertar vai buscar as emoções que estão mais guardadas na mente e trazê-las ao mundo físico para que você finalmente tenha contato com elas.

A criatividade como articuladora de emoções

Para que a arte possa trabalhar a inteligência emocional, é preciso que exista um caminho para que o sentimento vá para a superfície, já que, muitas vezes, ele é inconsciente.

Nem sempre compreendemos o que sentimos e, em consequência, não entendemos o que afeta as nossas ações. O fluxo criativo é a forma de pescar as emoções e desenvolvê-las em produções artísticas.

É por isso que o trabalho artístico é uma verdadeira jornada de autoconhecimento! Ao descobrir nossos próprios sentimentos, podemos administrá-los melhor e aprimorar as nossas habilidades sociais. Para isso, é claro, é preciso praticar sempre a criatividade.

Entrar em contato com as próprias emoções pode ser um desafio para a maioria, mas encare como uma forma maravilhosa de se conhecer. Diversas atividades artísticas podem transformar essa tarefa em algo prazeroso e profundamente renovador.

A arte ajuda a trabalhar os próprios sentimentos e também a nos tornar mais sensíveis às emoções dos outros, o que contribui para a nossa empatia. Ao desenvolver produções artísticas, o nosso olhar fica mais apurado para o que está ao nosso redor, para o significado de outras manifestações.

Além de ser algo extremamente necessário no mundo atual, desenvolver a inteligência emocional é um processo que vai transformar a sua vida pessoal, profissional, além de influenciar o círculo em torno de você.

A arte ajuda você a desenvolver a sua inteligência emocional? Deixe um comentário!

Você sabe o que é inteligência emocional? Entenda a importância

Você sabe o que é inteligência emocional? Entenda a importância

Sentimentos são parte importante de quem somos e, por isso, exercem um papel crítico em todas as áreas de nossas vidas. O renomado psicólogo e autor Daniel Goleman explica o que é inteligência emocional: a capacidade que uma pessoa tem de reconhecer e gerenciar as próprias emoções.

Portanto, podemos dizer que um indivíduo emocionalmente inteligente tem as seguintes características: estabilidade, persistência, resiliência, flexibilidade, autoconfiança e empatia. Esta última qualidade vem do fato de que ele consegue reconhecer, também, as emoções daqueles que o cercam.

Quer saber mais sobre esse conceito, como identificar se você tem tal característica e a melhor maneira de colocá-la em prática? Então, é só continuar a leitura deste artigo, pois temos todas as respostas!

Qual é a diferença entre QI e QE?

Primeiramente, vamos às siglas: QI é o quociente de inteligência e QE é o quociente emocional. Testes de QI têm o objetivo de medir a capacidade que uma pessoa tem de processar informações e, por muito tempo, foram utilizados para saber se ela poderia ser bem-sucedida.

No entanto, segundo Goleman, nem sempre o QI é o fator mais importante para o sucesso, pois de nada adianta ser muito inteligente se você não sabe gerenciar bem suas emoções. Vale ressaltar, ainda, que QI e QE se complementam (e não são fatores opostos).

Como identificar se você tem inteligência emocional?

No livro Inteligência Emocional, Daniel Goleman elenca os aspectos principais que a compõem. Veja se você tem algum deles:

  • conhecimento das próprias emoções: ter consciência de si;
  • controle de seus sentimentos: saber guiá-los conforme cada situação;
  • automotivação: saber utilizar suas emoções para atingir seus objetivos;
  • reconhecimento das emoções dos outros (empatia);
  • boa relação interpessoal.

O que pode ajudar a desenvolver essas características?

Sabemos que a estrada para a conquista da inteligência emocional pode ser longa e tortuosa; portanto, saiba que o importante é conseguir dar um passo de cada vez. Confira, agora, alguns passos a serem seguidos para atingir esse objetivo:

  • observe e analise seu comportamento: perceba como suas atitudes impactam seu dia e suas relações;
  • aprenda a lidar com emoções negativas: é preciso saber dominar esse tipo de sentimento e não permitir que controlem você;
  • realize atividades prazerosas: essa é uma ótima maneira de relaxar e lidar com sentimentos ruins;
  • trabalhe sua autoconfiança e autoestima: a inteligência emocional ajuda a acreditar em seu potencial e em suas habilidades;
  • não tenha medo de se expressar nem de dizer não: é importante falar sobre o que você sente, bem como respeitar seus limites;
  • exercite o respeito pelo próximo: reconheça que todos nós temos limitações, necessidades, direitos e deveres;
  • foque no longo prazo: a jornada do autoconhecimento é longa, então não espere resultados imediatos.

Lembre-se de ser paciente e gentil consigo, pois esse também é um passo importante para o desenvolvimento pessoal e profissional. Na medida em que for avançando, você terá relacionamentos mais verdadeiros e duradouros e, quem sabe, poderá se tornar um ótimo líder.

Então, agora que já sabe o que é inteligência emocional e entendeu sua importância, compartilhe este artigo em suas redes sociais. Assim, você poderá ajudar outras pessoas a saberem mais sobre o assunto!