Tag Archives: interpretação

Dicas para se concentrar ao interpretar!

5 formas de se concentrar para interpretar

Quem nunca viu pessoas cometendo erros na hora de interpretar? Isso é muito comum e tem ficado cada vez mais evidente com as redes sociais. Isso pode acontecer por várias razões que vão desde a falta de conhecimento de certas palavras a ausência de concentração.

Para que qualquer texto seja bem interpretado, antes de mais nada, é preciso que o leitor esteja bem concentrado. Mas como se concentrar e conseguir interpretar bem? É o que vamos ver a seguir!

Como se concentrar para interpretar

Para que a leitura e a interpretação de um texto não se torne algo difícil ou quase impossível é preciso que o leitor se concentre. A falta de interpretação pode gerar diversas dificuldades tanto na vida pessoal quanto na profissional. Por isso, conhecer algumas técnicas de concentração e aplica-las no dia a dia pode ajudar.

1 – Não leia quando estiver cansado ou com sono

Sabe o que acontece quando uma leitura é feita nessas condições? Ela se torna enfadonha, desanimada e as chances de abandonar aquele texto ou le-lo de qualquer forma se tornam enormes. Além do mais, a concentração passa longe e com isso a interpretação se torna quase impossível.

Por esse motivo, o melhor é evitar a leitura naqueles horários que está mais cansado ou com sono. Procurar ler quando se sente com mais energia ajuda a se concentrar.

2 – Celular? Desligue-o

Quem nunca abandonou tudo o que estava fazendo quando receber uma notificação no celular? Isso acontece com frequência e para que a leitura não seja interrompida o ideal é desliga-lo ou deixe-o em outro cômodo.

Quando a leitura é interrompida por qualquer motivo ao ser retomada é preciso se concentrar novamente. O problema é que nem sempre a pessoa se lembra corretamente o que estava lendo e a capacidade de concentração também pode ser abalada.

3 – Busque por um local confortável e tranquilo

Para interpretar bem é preciso estar bem concentrado. Para isso é preciso que o local escolhido para a leitura seja confortável e não tenha confusão ou barulhos. Assim será possível entender cada parte do texto bem como as ideias que estão sendo apresentadas.

4 – Releia quantas vezes forem necessárias

Existem diferentes gêneros literários assim como estruturas textuais. Algumas são mais fáceis de serem compreendidas que outras. Por isso, se o gênero ou estrutura for algo desconhecido não custa nada reler o texto mais uma vez ou quantas forem necessárias para a sua perfeita compreensão.

Ao fim da primeira leitura o ideal é dar uma pausa de alguns minutos para tentar resumir mentalmente aquilo que foi lido. Se ficar alguma dúvida o melhor é voltara leitura desde o início. Isso deve ser feito até que seja capaz de explicar com as próprias palavras as ideias que foram apresentadas no texto.

5 – Teste o quanto aprendeu

Ao fim da leitura uma ótima forma de conseguir interpretar bem é estar o quanto que foi compreendido. Existem algumas formas de fazer isso e que são bem simples:

  • Checar se as hipóteses foram recusadas ou confirmadas
  • Procurar resumos ou resenhas críticas e fazer comparações com as próprias interpretações
  • Discutir com outros leitores as ideias do texto
  • Fazer uma análise dos tópicos de maior relevância para saber se elas possuem conexões válidas entre elas
O mais importante é que você tenha uma interpretação que seja digna da personagem que quer interpretar. Se conseguir isso, sem utilizar um figurino, terá entrado na personagem.

Como entrar na personagem?

Uma das grandes virtudes dos atores é poder viver uma realidade totalmente diferente daquela que ele vive. Isso significa que ele pode atuar em diferentes áreas, fazendo os mais variados papeis, justamente porque a interpretação o oferece essa possibilidade.

Dessa forma, o ator que consegue encarnar uma personagem consegue trazer fantasia à vida. E isso pode ser feito independente do figurino que estará sendo utilizado. O mais importante é que você tenha uma interpretação que seja digna da personagem que quer interpretar. Se conseguir isso, sem utilizar um figurino, terá entrado na personagem.

Se você quer saber o que fazer para poder entrar na personagem, fique por aqui que este texto foi feito pra você.

1 – Descreva a sua personagem

Faça uma descrição da personagem, perguntando sobre ela e você mesmo responderá. Isso fará com que você entenda melhor a personagem.

Você poderá responder questões como: Como é a personagem? Ela possui alguma característica específica? De onde ela é? Sua fala tem sotaque? As pessoas gostam dela?

Tudo isso fará você ter uma ideia de como será a sua personagem e te ajudará a entendê-la e, logo, entrar nela.

2 – Leia todo o roteiro

Quando você lê todo o roteiro, isso te dará uma ideia de como a sua personagem reagirá a uma determinada situação. Conhecendo as suas ações, ficará mais fácil saber o seu jeito e, com isso, você terá uma ideia melhor de como compor a sua personagem.

Não fique preso somente às suas falas, isso pode fazer com que você perca alguns acontecimentos que poderão te ajudar a fazer a composição dela.

3 – Veja outras interpretações dessa personagem

Quando você assiste outras interpretações da personagem que quer encenar, isso te dará uma ideia sobre o jeito da personagem. Você poderá tirar características peculiares dela, ou pode até retirar alguns traços que achar que ficaram fora de sintonia.

Outra coisa que pode ser positiva é a exigência do diretor para que a personagem se apresente de forma diferente da que foi feita em uma determinada encenação.

4 – Viva a personagem

Antes de você ensaiar a personagem, se imagine vivendo a situação que está sendo apresentada por ela. Toda experiência deverá ser imaginada. Se ele ficou doente, se imagine sofrendo do mal que ela tem, da dor que está sofrendo.

Se ela ficou pobre, vivendo às margens da sociedade, idealize como seria essa situação se você estivesse inserido nela. Você poderá fazer isso em alguns segundos, ou então, se achar necessário, pode aumentar esse tempo.

5 – Que tal agir como a personagem?

Você pode começar a ter ações parecidas com a da sua personagem. Sempre que se envolver numa determinada situação, imagine como a personagem faria e tome a mesma decisão.

Por mais que possa parecer uma ideia ruim, é válido pela experiência. Por exemplo: se a personagem não gosta de tomar banho de água fria, mas por um motivo de saúde precisará começar a tomar banho de água fria, você poderia passar a fazer isso também.

Conheça agora mesmo as 3 técnicas para ser um especialista em interpretação! Você vai compreender os detalhes sobre isso agora!

3 técnicas para ser um especialista em interpretação

Quando vai entrar no palco, seja um ator iniciante ou alguém com anos de experiência na profissão, a interpretação do texto pode ser um problema, afinal qualquer erro na compreensão do que o ator quis passar com aquelas linhas pode alterar completamente o perfil do personagem construído.

Imagine, por exemplo, os efeitos para o personagem se um ator, ao se deparar com o roteiro sobre vilões clássicos, mas dúbios, não conseguisse compreendê-los? Os personagens seriam rasos, não entregariam aquilo que o auto realmente desejou. E isso seria frustrante, tanto quem está interpretando, quanto para quem assiste.

Para tornar a interpretação dos textos mais fácil e garantir que você se torne um verdadeiro especialista no assunto, reunimos aqui as três técnicas que você poderá colocar em prática agora mesmo.

Leitura detalhada

Alguns textos, sobretudo os de peças clássicas, podem ter uma linguagem um pouco mais rebuscada, com palavras que não são utilizadas em nosso dia a dia há décadas (ou nem sequer chegaram a fazer parte do nosso idioma).

Essa dificuldade pode gerar falhas na interpretação, já que o autor muitas vezes não compreende o significado dessas palavras e muito menos sabe o que o autor quis dizer quando as escreveu.

Para contornar esse problema, uma técnica que permitirá ao ator em cena dominar completamente a interpretação do texto é ler, com cuidado, o roteiro. Se possível, até mesmo com um dicionário à mão. Assim, tudo o que lhe parecer estranho poderá ser consultado e anotado.

Utilização de paráfrases

Uma técnica interessante para interpretar o texto que se está lendo é a criação de paráfrases, ou seja, explicações sobre o que está escrito ali. Essa técnica ajuda bastante quando o texto é bastante complexo, ou é preciso compreender alguns dilemas vividos pelo personagem ou porque ele age de determinada forma.

Um exercício interessante não só para melhorar a interpretação do texto, como também para preparar o ator antes da “entrada” no corpo do personagem, compreendendo seus pensamentos e justificando inclusive algumas ações que antes pareceriam bastante confusas.

A criação das paráfrases pode ser feita em um papel à parte, para não confundir a leitura do roteiro, e utilizada como material de apoio enquanto você estiver estudando o texto que precisa interpretar.

Use o papel

Vivemos na era da tecnologia, e muitos dos textos a que temos acesso, como este, estão na tela de computadores, tablets ou smartphones.

Mas, na hora de interpretar um texto, uma técnica muito simples e que traz excelentes resultados é fazer essa leitura em papel. Apenas o ato de segurar uma folha em suas mãos, se deparar com as letras ali colocadas e poder fazer algumas anotações torna essa interpretação mais fácil.

Isso acontece porque o cérebro pode visualizar melhor as palavras e buscar compreender cada um de seus significados. Lendo em papel você compreende melhor o que o autor realmente quis dizer e o que fazer para interpretar aquele texto adequadamente.

Com essas técnicas, você perceberá que irá tirar de letra qualquer texto.

E aí, quer saber mais sobre a relação entre empatia e interpretação e descobrir quais são os benefícios dessa dupla para o bem de uma sociedade igualitária?

As vantagens da empatia e da interpretação

“Imagine todas as pessoas vivendo em paz”. Este trecho faz parte de Imagine, de John Lennon, uma das canções mais famosas de todos os tempos. A letra dessa música fala abertamente sobre a empatia e como ela pode mudar o mundo. Você sabia que a interpretação pode nos ajudar a ser mais empáticos?

A arte de interpretar vai muito além de fingir para o entretenimento de outras pessoas. Esse tipo de prática pode despertar sentimentos em todos os envolvidos — sejam eles atores no palco, sejam espectadores na plateia —, e mudar o modo como essas pessoas pensam.

E aí, quer saber mais sobre a relação entre empatia e interpretação e descobrir quais são os benefícios dessa dupla para o bem de uma sociedade igualitária? Continue a leitura!

O que é empatia?

De modo resumido, a empatia pode ser definida como a capacidade de compartilhar e compreender as emoções e sentimentos de outras pessoas. Ela pode ser sentida de diversas formas por indivíduos diferentes e não há uma receita de bolo para defini-la. No geral, ela pode ser dividida em:

  • empatia afetiva — a capacidade de sentir, em si mesmo, as emoções dos outros. É normalmente exemplificada por pessoas que choram facilmente ao assistir filmes ou peças dramáticas ou se assustam ao ver cenas de terror;
  • empatia cognitiva — se refere à habilidade de compreensão dos sentimentos alheios, mas sem necessariamente senti-los por tabela. É o que ocorre, na maior parte das vezes, com psicólogos e profissionais que lidam com a psique humana.

Algumas pessoas — e até alguns animais, como os ratos e primatas — conseguem ser empáticos dos dois modos. Outros, no entanto, não possuem essa capacidade. Para a maioria das pessoas, esses seriam os chamados psicopatas, que normalmente são grandes mestres da empatia cognitiva. Por isso, não ser empático não é um sinônimo de psicopatia.

Quais são os benefícios da empatia para a sociedade?

Como podemos ver, nem todos os seres humanos são empáticos. Embora algumas pessoas afirmem que essa qualidade é inerente ao ser humano (ou seja, adquirida naturalmente, que faz parte da natureza), nem sempre isso ocorre na prática.

A falta de empatia traz inúmeros prejuízos para a sociedade como um todo. Pessoas que não conseguem se sensibilizar com as dores e perdas de outrem são mais propensas a tomarem decisões egoístas ou prejudicar os outros, mesmo que não o façam deliberadamente. Por conta disso, a empatia é fundamental aos grandes líderes e figuras de poder.

No entanto, não são apenas as pessoas poderosas que precisam ser mais empáticas. Afinal de contas, a sociedade precisa de todos para funcionar em harmonia, ainda mais em uma democracia. Somos nós que escolhemos os nossos governantes e pensar em todos — mesmo naqueles que não compartilham nossas crenças, raças ou esferas sociais —, é importantíssimo na hora de tomar certas decisões.

Como podemos relacionar empatia e interpretação?

Como mencionado no início da nossa conversa, a arte de interpretar pode ser uma ótima aliada no desenvolvimento e amadurecimento da empatia. Ainda que à primeira vista a relação pareça inexistente, é possível correlacionar os conceitos com muita facilidade.

Resumidamente, podemos dizer que a interpretação consiste na incorporação de um personagem. Para fazer uma boa performance, é fundamental que o ator “entre” no indivíduo que interpretará. Para isso, ele passará a agir, pensar e sentir como aquela pessoa, real ou hipotética.

Só com isso, já é possível compreendermos muito bem a relação entre as duas coisas. Ao estudar e construir um determinado personagem, o ator entra definitivamente em contato com suas emoções e passa a observar o mundo por meio de seu olhar, abandonando o seu próprio.

Felizmente, a dramaturgia é riquíssima e nos agracia com os mais variados temas e personagens para trabalhar. São vivências, culturas, experiências e personalidades completamente diferentes. Assim, ao interpretar muitas pessoas, conseguimos abrir o nosso leque de pontos de vista e nos tornamos mais empáticos aos problemas de pessoas diferentes de nós.

Quais são as principais vantagens de estudar a arte de interpretar?

Além do próprio conceito de interpretação, conviver em um ambiente repleto de arte e de pessoas interessadas nela é extremamente benéfico para o exercício da empatia e de outros quesitos. O autoconhecimento, a autoestima, a criatividade e até o senso de democracia também são muito favorecidos nesse meio.

A principal razão para esse amadurecimento pessoal é a diversidade encontrada em ambientes como uma escola de teatro. A arte é uma das linguagens universais e pode tocar e fazer com que pessoas extremamente diferentes se conectem e se comuniquem.

Com isso, ao estudar teatro você está mais suscetível a fazer novas amizades com pessoas que não conheceria fora daquele ambiente. Isso nos permite, também, vivenciar novas experiências e entrar em contato direto com outras culturas e vivências.

Quais são os preceitos básicos do método Stanislavski?

Constantin Stanislavski (1893-1938) foi um pedagogo e ator russo, famoso pela elaboração de um dos métodos de atuação mais famosos nos tempos atuais. Esse sistema, que leva o seu nome, é utilizado por diversas escolas de teatro ao redor do globo.

Para ele, o ofício de ator significava o mesmo que dar vida ao espírito humano. Em outras palavras, esse conceito pode ser definido como a arte de representar situações cotidianas de forma realista, utilizando as emoções reais que todos nós experimentamos diariamente.

O Sistema — comumente chamado de O Método — é também conhecido como a gramática do ator e foge da dinâmica de réplica e mimetismo muitas vezes utilizados no ensino teatral. Para Stanislavski, a improvisação e a criatividade deviam ser pilares da formação cênica.

Ele mesmo era um exímio observador e incentivava que seus alunos observassem uns aos outros e buscassem compreender as razões e emoções de cada um deles, utilizando os elementos percebidos durante as apresentações. Por isso, esse método busca uma atuação mais natural e que faça com que o público se identifique.

Agora que você conhece a relação entre empatia e interpretação, que tal começar a fazer teatro? Dessa forma, você desenvolverá seu senso empático e nos ajudará na caminhada para uma sociedade cada vez mais justa. Quem sabe um dia você se juntará a nós e o mundo poderá ser como um só, não é mesmo?

Se você se interessou pelo mundo teatral e gostaria de saber mais, confira nosso post sobre os 9 livros indispensáveis para os estudantes de teatro. Até a próxima!